Artigos

O perigoso alcance do idadismo

Enquanto que o mundo enfrenta todas as formas de preconceito, a discriminação com base na idade ainda está fora do radar da maioria das pessoas. Alguns investigadores afirmam que o envelhecimento é a última forma de discriminação socialmente aceitável. A Organização Mundial de Saúde e as Nações Unidas apelaram a uma ação urgente para combater o idadismo, após a pandemia de coronavírus ter realçado alguns aspetos preocupantes desta forma de discriminação por vezes quase invisível.

O idadismo faz mal ao coração

Num estudo da Universidade de Yale, os investigadores seguiram pessoas entre os 18 e os 49 anos durante 40 anos e mediram as suas atitudes em relação ao envelhecimento. Exemplos de atitudes negativas em relação ao envelhecimento foram “as pessoas mais velhas estão indefesas” e “as pessoas mais velhas não têm a menor ideia”.

Aqueles que tinham opiniões negativas sobre o envelhecimento eram mais propensos a sofrer eventos cardiovasculares mais tarde na vida. Estes eventos cardiovasculares incluíam dores no peito devido a vasos sanguíneos obstruídos, mau funcionamento do coração, ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais.

De acordo com o estudo, se a opinião das pessoas sobre o envelhecimento se tornar mais sombria com o tempo, o risco de problemas cardiovasculares aumenta ainda mais. Contudo, se os sujeitos do estudo se tornassem mais otimistas, por exemplo descrevendo os idosos como “sábios” ou “criativos”, o risco de doença cardiovascular diminuiria.

O otimismo sobre a idade magnifica o stress

As pessoas que têm pensamentos positivos sobre o envelhecimento tendem a viver mais tempo do que as pessoas da mesma idade, que são mais críticas em relação ao envelhecimento. As crenças negativas aumentam o stress e as crenças positivas protegem o stress.

As pessoas desenvolvem preconceitos contra os adultos mais velhos na infância. Incentivar as crianças a terem relações significativas com pessoas mais velhas dá o tom para a sua visão do envelhecimento ao longo das suas vidas.

Os médicos podem medir o stress através de marcadores como a proteína C-reactiva e o cortisol, ambos correlacionados com uma visão negativa do envelhecimento. Estas respostas ao stress podem começar no início da vida adulta e continuar ao longo da vida de uma pessoa.

Ter uma visão mais positiva do envelhecimento reduz os marcadores de stress. E a redução do stress pode ajudar a mitigar o ganho de peso, a diabetes e a tensão arterial elevada.

3 Intervenções para combater o idadismo

 

  • Promover contactos de qualidade entre as gerações mais novas e mais velhas. 

Idealmente, pense em mensagens desde tenra idade. As pessoas desenvolvem preconceitos contra os adultos mais velhos na infância. Incentivar as crianças a terem relações significativas com os mais velhos dá o tom para a sua visão do envelhecimento ao longo das suas vidas. Entre os 4 e 7 anos de idade, as crianças desenvolvem estereótipos sobre o envelhecimento.

As crianças tendem a ver os adultos mais velhos como lentos e menos móveis, mas também tendem a descrevê-los como amáveis. Os investigadores descobriram que as crianças com idades compreendidas entre os 10 e os 12 anos tinham as opiniões mais positivas sobre o envelhecimento. Mas à medida que as crianças se aproximavam da adolescência, tornavam-se globalmente mais idadistas.

Os jovens adultos que têm um contacto de qualidade ou prolongado com adultos mais velhos, seja na escola, no trabalho, ou nos seus bairros e círculos sociais, tendem a ter menos expetativas negativas sobre eles e menos ansiedade sobre o que irá acontecer à medida que eles próprios envelhecem. Mesmo sabendo que outros jovens têm boas relações com pessoas mais velhas é útil para reduzir o idadismo.

 

  • Encorajar atividades físicas desafiantes entre os adultos mais velhos. Esta é uma mensagem que muitos adultos mais velhos não ouvem com frequência suficiente.

As indústrias do fitness e da saúde podem perpetuar os estereótipos etários. Os médicos e fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais fazem por vezes recomendações de exercício baseadas apenas na idade, em vez de avaliarem cada pessoa como um indivíduo. Os terapeutas podem novamente recomendar atividades físicas de baixa intensidade do tipo “sénior”, tais como caminhadas ou jardinagem.

Os adultos mais velhos não são suficientemente encorajados a fazer exercício vigoroso, e raramente desafiam estereótipos generalizados sobre as suas capacidades físicas. Pode ser útil encorajar os idosos a imaginarem-se, se for seguro, em ginásios que participam em atividades de maior intensidade, o que pode prevenir problemas cardiovasculares.

 

  • Educar os profissionais de saúde para reconhecer e combater o idadismo. Infelizmente, o sistema de saúde não é imune a atitudes antiquadas.

Quer procure ativamente um geriatra, um médico de cuidados primários com formação adicional no tratamento de adultos idosos, quer desafie as crenças etárias do seu médico atual, os adultos idosos podem melhorar os seus cuidados de saúde e rejeitar o status quo de crenças nocivas.

Os profissionais de saúde podem modelar comportamentos não discriminatórios, contribuir para declarações políticas e investigações centradas no envelhecimento dentro das suas especialidades, e tornar-se parceiros na advocacia.

 

Por cenie

 

184 views
cool good eh love2 cute confused notgood numb disgusting fail