Artigos

Etarismo e “age shaming”: quando envelhecer gera vergonha e preconceito

Símbolos de sensualidade de uma época, Madonna e Xuxa recebem enxurradas de comentários nas redes sociais sobre a aparência envelhecida. Elas são julgadas pelas rugas, roupas, comportamentos e relacionamentos amorosos. Essa discriminação, que não afeta apenas as celebridades, mas é consequência da longevidade, tem nome: idadismo.

Especialista em diversidade etária, a psicóloga e professora Fran Winandy reuniu amplo material de pesquisa sobre o tema no livro Etarismo – Um novo nome para um velho preconceito, publicado pela Matrix Editora. O medo de envelhecer, a origem do etarismo, como ele atinge as mulheres ao longo da vida, e o impacto do idadismo no mercado de trabalho, no cinema, nas redes sociais, na moda e nos esportes são algumas das questões abordadas.

FRAN WINANDY

A autora convida o leitor a revisitar medos e preconceitos a fim de combatê-los, e compila emocionantes depoimentos de vítimas do julgamento pela idade. Ao longo da trajetória na área de recursos humanos, a ativista acompanhou manifestações diversas de empresas contra pessoas mais velhas e perdeu a conta das vezes em que questionou essa postura.

Fran explica que, motivadas por pressões externas e dilemas internos, as pessoas não aceitam envelhecer. Pior: não desejam parecer velhas porque têm mais dificuldade para encontrar trabalho. Tornam-se invisíveis em sociedade, indesejáveis, e por isso a aparência é fundamental nessa batalha.

Como na publicidade, no cinema também existe a dificuldade de retratar o idoso de forma realista e tratar a velhice como uma fase normal da vida. Uma das causas para isso seria (também) a falta de representatividade nas produções de conteúdo (…). Porém, o aumento da expectativa de vida tem trazido novas demandas para esse mercado e algumas pequenas mudanças começam a aparecer.

(Etarismo – Um novo nome para um velho preconceito, pág. 115)

A obra trata, também, sobre age shaming, nome dado à vergonha de envelhecer. Esse fenômeno afeta a saúde física e mental das pessoas, especialmente das mulheres. Na outra ponta, segundo a especialista, movimenta a economia, seja pelo consumo de cosméticos, ou pelo salto na busca por procedimentos estéticos que escondam os sinais do tempo.

Conforme a autora, se “os 60 são os novos 40”, chegou o momento de mobilizar a sociedade para mudar as referências sobre idade, amadurecimento e velhice. Etarismo – Um novo nome para um velho preconceito é um ótimo ponto de partida, com informações e inspiração para deflagar ações no sentido de mudar a cultura construída a partir de “imagens de comerciais de televisão” que não representam a realidade.

Sobre a autora

Fran Winandy é psicóloga, com MBA em Recursos Humanos e mestrado em Administração de Empresas, com certificação em Conselho Social (ESG). Atua como consultora, palestrante e professora de pós-graduação nas áreas de Recursos Humanos e Diversidade Etária, conduzindo programas de integração geracional, mentorias para a longevidade e transição de carreira. É idealizadora do blog Etarismo nas Organizações e sócia da Acalântis Services.

Redes sociais da autora

• LinkedIn

• Site

• Instagram

Sobre a Matrix Editora

Apostar em novos talentos, formatos e leitores. Essa é a marca da Matrix Editora, desde a sua fundação em 1999. A Matrix é hoje uma das mais respeitadas editoras do país com quase mil títulos publicados e oito novos lançamentos todos os meses. A editora se especializou em livros de não-ficção, como biografias e livros-reportagem, além de obras de negócios, motivacionais e livros infantis. Os títulos editados pela Matrix são distribuídos para livrarias de todo o Brasil e, também, são comercializados no site www.matrixeditora.com.br.

Conteúdo divulgado por LC – AGÊNCIA DE COMUNICAÇÃO

246 views
cool good eh love2 cute confused notgood numb disgusting fail