Artigos

IDADISMO: NÃO AO PRECONCEITO

O idadismo vem do inglês “ageism” e não é mais do que a discriminação à idade, uma forma de preconceito contra os idosos. A maioria de nós reconhece que a discriminação é desagradável em todas as suas formas, mas parece que há alguns aspetos curiosos do envelhecimento que a tornam diferente de outros tipos de discriminação.

Geralmente, quando discriminamos os outros, escolhemos o “grupo externo”, com características negativas que os separam de nós, o “grupo”. Mas com o envelhecimento, realmente evitamos um grupo ao que inevitavelmente nos uniremos mais tarde na nossa vida, como se discriminássemos o nosso eu futuro.

Os investigadores referem-se a esse fenómeno como o paradoxo “fora do grupo”. Quase todos consideram que o envelhecimento é preferível à alternativa, e como não podemos alterar o caminho, escolhemos reimaginar o destino. Nós argumentamos que somos de uma nova era, e não teremos os mesmos traços que os adultos mais velhos de hoje quando chegarmos lá.

Segundo os relatórios, o Dr. Robert Butler, um eminente gerontólogo, cunhou o termo “ageism” na década de 1960, mas a prática parece ter estado presente desde sempre. Talvez mais desconcertante seja a pesquisa que indica que são os de meia idade, em vez dos jovens, os piores “infratores”.

Pesquisas publicadas na revista International Psychogeriatrics revelam que as pessoas de meia idade tendem a ver a velhice ao virar da esquina e sentem a necessidade de manter a sua própria imagem denunciando aqueles que são mais velhos. Não é surpreendente que as pessoas desta faixa etária também achem que a velhice chega muito mais tarde do que as pessoas mais jovens.

A Organização Mundial da Saúde também tem os seus objetivos estabelecidos nesta questão. De acordo com o relatório World Values ​​Survey, realizado a mais de 83.000 pessoas em 57 países, as atitudes em relação a pessoas mais velhas em todas as faixas etárias foram tidas em consideração. Na opinião de 60% dos entrevistados, os idosos não recebem o respeito que merecem. Curiosamente, esse problema é mais marcado em países com alto padrão de vida, onde o grau de respeito por essa faixa etária é menor.

Para John Beard, diretor do Departamento de Envelhecimento e Ciclo de Vida da OMS, “esta análise confirma que a idade é um fenómeno generalizado. A maioria das pessoas deixmo-nos levar inconscientemente pelos estereótipos sobre os idosos. No entanto, como com o sexismo e o racismo, podemos modificar esses comportamentos presentes nas nossas sociedades e parar de tratar as pessoas com base na idade. Com isso, tornaremos as nossas sociedades mais prósperas, mais equitativas e mais saudáveis​​”.

 

Consequências

Primeiro, é necessário saber que ninguém está mais ciente dos estereótipos em torno das pessoas mais velhas do que elas mesmas. É mau o suficiente que todas as faixas etárias sejam cúmplices na discriminação com a idade, como para adicionar-se uma maior “aceitação social” do que outros “ismos”, motivo que faz com que o idadismo se veja em praticamente todos os lugares.

Alguns podem argumentar que a sociedade é mais tolerante com a diferença de idade do que em tempos anteriores, e provavelmente haverá evidências disto se examinarmos o racismo ou o sexismo em comparação com há um século atrás. Mas o envelhecimento, por outro lado, parece ter piorado nos tempos modernos.

O Dr. Todd Nelson, da Universidade Estadual da Califórnia, observa que os adultos mais velhos eram consideradas pessoas sábios nas sociedades tradicionais, guardiões do conhecimento acumulado e da memória institucional. Argumenta que dois eventos históricos conspiraram contra as pessoas mais velhas para diminuir o seu status na sociedade. O primeiro foi o advento de tecnologias como a imprensa, que permitiu preservar e disseminar o conhecimento acumulado à custa da colaboração dos idosos. A segunda foi a industrialização da sociedade, que exigia mobilidade nas famílias e deixava os idosos de lado porque eram menos “adaptáveis”.

Quaisquer que sejam as raízes da discriminação, as pessoas de todas as idades parecem ser tanto os perpetradores como, eventualmente, as vítimas. Depende dos nossos esforços coletivos reconstruir a imagem dos idosos como seres competentes, produtivos e sociais, ou pelo menos reconhecer que os idosos não são diferentes do resto de nós, são simplesmente jovens que cresceram.

Além do estigma do preconceito, o edadismo tem consequências negativas para a saúde das pessoas idosas, que muitas vezes se vêem como um fardo para os outros, tornando-os propensos a depressão e isolamento social.

Alana Officer, Coordenadora do Departamento de Envelhecimento e Ciclo de Vida da OMS, ressalta: “O envelhecimento da sociedade pode ser positivo se mantivermos uma melhor saúde com a idade. Mas, para isso, devemos livrar-nos dos preconceitos contra os idosos. O idadismo pode assumir várias formas. Percebemos isso nos meios de comunicação, quando apresentam os idosos como frágeis, dependentes e longe da realidade; em algumas práticas discriminatórias, como a limitação dos serviços de saúde prestados aos idosos e nas políticas institucionais, como a reforma obrigatória a uma determinada idade “.

Um estudo, da Universidade de Liège na Bélgica, publicado na revista Child Development, destaca que as crianças que passam mais tempo de qualidade com os seus avós têm uma atitude mais saudável em relação às gerações mais velhas. Os investigadores examinaram 1151 crianças e adolescentes.

“Pedimos às crianças que descrevessem como se sentiam quando viam os seus avós e aqueles que se sentiam infelizes foram designados como tendo baixa qualidade de contato, quando se tratava dos pontos de vista da idade, descobrimos que a qualidade do contato era muito mais importante do que a frequência “, disse Allison Flamion, doutora em psicologia, que liderou a equipa de investigação.

As crianças usavam palavras como feios, sujos, cruéis, aborrecidos e lentos para descrever os anciãos: “As crianças precisam de tantos adultos carismáticos nas suas vidas quanto possível”. Isso constrói confiança e aumenta a sua resiliência. Infelizmente, a capacidade de recuperação é algo que está em declínio “.

“Os resultados deste estudo entristecem-me como psicólogo”, disse o Dr. Carr-Gregg, “À medida que nos tornamos uma população que envelhece é vital que os jovens se educem sobre o valor de ter avós ou idosos nas suas vidas. A sua experiência e sabedoria são inestimáveis ​​”.

 

FONTE: CENIE[1]

[1] https://cenie.eu/pt/blog/idadismo-nao-ao-preconceito

145 views
cool good eh love2 cute confused notgood numb disgusting fail